Prefeitura de Goiânia implanta novo processo para emissão de Certidões de Limites e Confrontações

Novo procedimento atende pleito de cidadãos, empresas, profissionais e, também, da gestão pública de vislumbrar procedimentos simplificados, eficientes e eficazes nos serviços prestados pela Prefeitura de Goiânia

Dando continuidade ao processo de desburocratização da administração pública da capital, iniciado com a implantação do sistema de automatização Família Fácil, lançado em março de 2017, o Prefeito Iris Rezende assina nesta quarta-feira, 31, decreto visando simplificar e tornar mais rápida a análise de processos para emissão de Certidões de Limites, Confrontações e Demarcações no município de Goiânia.

Fruto de uma série de estudos realizados por técnicos da Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação que busca a implementação de processos e ferramentas de gestão para tornar os serviços prestados pela Prefeitura de Goiânia mais acessíveis ao contribuinte.

“Estamos trabalhando para que o município possa oferecer à população serviços mais rápidos e eficientes. A automatização de alguns serviços e a revisão de procedimentos para análise de outros tem trazido maior agilidade e eficiência aos serviços prestados pela gestão, minimizando o tempo de espera dos contribuintes e otimizando o trabalho dos servidores do município.”

Principal mudança trazida pelo novo modelo simplificado para a emissão de Certidões de Limites, Confrontações e Demarcações, está a liberação para que um profissional técnico assine e se responsabilize por todas as informações prestadas no projeto. Desta forma, assim como nas análises de projetos do Alvará Mais Fácil, a Seplanh emitirá a certidão conforme as informações prestadas e, num segundo momento, procederá a vistoria in loco para confirmação dos dados prestados.

“Assim como procedemos com os alvarás de construção, a partir de agora o contribuinte e o profissional que assina o projeto serão os responsáveis pelas informações prestadas ao município quando da solicitação da certidão de limites, confrontações e demarcações, podendo responder legalmente em caso de má fé das informações prestadas”, afirma Henrique Alves.

William Assunção, da Editoria de Planejamento Urbano e Habitação

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *