Escola municipal desenvolve projeto de culinária com alunos da Educação Infantil

Objetivo da proposta é despertar nas crianças a consciência pela alimentação saudável e a interação com a natureza

Alunos da Escola Municipal José Alves Vila Nova estão passando por uma experiência gostosa e um tanto divertida. É que a instituição, localizada no Parque Atheneu, região Sul de Goiânia, está desenvolvendo projeto de culinária e alimentação saudável entre 24 educandos da Educação Infantil. Intitulado “Master Chef: brincando de fazer comidinha!”, a proposta leva até as crianças a preparação de algumas comidas que são consumidas na unidade.

O objetivo do projeto é proporcionar aos pequenos o conhecimento sobre os alimentos, despertar o gosto pela alimentação saudável e aprender cuidados com a higiene na hora de preparar as comidas. Além disso, as crianças são estimuladas a desenvolver capacidade analítica e interpretativa, raciocínio lógico, coordenação motora, percepção visual, tátil, olfativa e gustativa e a ampliação do vocabulário e linguagens escritas e orais.

Para introduzir a temática na turma, a professora responsável pelo projeto, Leyre Garcia, explica que trabalha com várias atividades lúdicas, como releituras de pintores renomados com desenhos de alimentos, colagem em E.V.A., montagem de figuras, brincadeiras cantadas e vídeos educativos. “Sempre levo vídeos educativos, receitas culinárias, matérias do Master Chef. Fizemos uma atividade e falei do colorido que tem o prato. Peguei aqueles pratinhos de papelão e dei para eles colorirem do jeito que gostavam de comer. Depois dei algumas imagens de alimentos e eles foram montando no prato o que cada um gostava de comer”, disse.

Na primeira atividade prática do projeto, as crianças fizeram uma salada de frutas. Cada criança levou uma fruta específica e, com a ajuda da professora, da auxiliar de atividades educativas e com talheres de plástico, os alunos cortaram e produziram o mix. “Na parte prática, nossa primeira vivencia foi uma salada de frutas. Pedi a cada pai uma fruta específica, as crianças ajudaram a descascar, lavaram as mão, colocaram as tocas, demos toda a orientação do preparo. Levei pratinho de isopor e talheres de plástico e eles foram picando. No final, misturamos e, cada um com seu pratinho, se serviu e comeu. Todos comeram e gostaram da experiência”, explicou Leyre.

Iniciado em fevereiro, o projeto já tem surtido efeito nas crianças que participam. A professora conta que percebeu mudança de comportamento nos pequeninos. “O que tenho observado é que eles levavam muito lanche de casa e não comiam o da escola. Agora, eles comem o de casa e o da escola, porque eu disse que um bom cozinheiro experimenta. Na maioria das vezes, eles gostam, está surtindo efeito nisso. Procuro sempre levar atividades que eles vivenciam, dando bastante autonomia para que eles façam”, disse.

A previsão é de que o projeto se estenda durante todo o primeiro semestre letivo, tendo sua finalização no mês de junho, com a dramatização da Lenda da Mandioca, uma lenda indígena do folclore brasileiro. Além disso, na festa junina organizada pela escola, os alunos farão uma apresentação cultural com a Dança da Tapioca, embalada pela música Massa de Mandioca, de Mastruz com Leite.

Núbia Alves, da Editoria de Educação e Esporte

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *