Profissionais da Educação participam de curso de primeiros socorros

Objetivo é capacitá-los para realização de procedimentos básicos diante de situações de risco e emergência em escolas e Cmeis da Capital

Profissionais da Secretaria Municipal de Educação e Esporte (SME) estão participando semanalmente de curso específico em primeiros socorros. As turmas estão divididas por coordenadorias regionais e a intenção é que todos os apoios pedagógicos e coordenadores das escolas e centros municipais de Educação Infantil concluam a formação, promovida pela equipe dos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (SESMT), que atua na SME, em parceria com a Gerência de Formação dos Profissionais da Educação (Gerfor) e colaboração do Corpo de Bombeiros do Estado de Goiás.

A realização do curso atende  à Lei Federal Nº 13722 e à Portaria Municipal Nº 041 da SME, que tornam obrigatória a capacitação em noções de primeiros socorros para profissionais da Educação. O objetivo do curso, que teve um módulo realizado nesta quarta-feira, 3, na Gerfor, é capacitar profissionais a realizarem procedimentos básicos de primeiro atendimento, sobre o que deve ou não ser feito para não agravar a situação da vítima e atuar com eficiência em situações de urgência e emergência. Dentre os principais temas abordados estão: acidentes, emergências, hemorragias, engasgamento, ferimentos, métodos de respiração, parada respiratória, massagem cardíaca, queimaduras, transporte de acidentados, entre outros. O próximo encontro formativo será na próxima quarta-feira, 10 de abril.

Segundo Angelina Carlos Costa, técnica de segurança do trabalho na SME e também bombeira civil, o curso de primeiros socorros traz conhecimentos importantes para os profissionais que estão cotidianamente na instituição educacional e atua também com foco na prevenção de possíveis acidentes. “Tanto para atender as demandas que temos nas escolas e Cmei, quando para sociedade de forma geral. Por acreditar nessa relevância, estamos organizando essa formação que segue o calendário escolar durante todo o ano”, destaca.

Para Anna Carolina Silveira de Oliveira, professora da Educação Infantl, o curso trouxe conteúdos e orientações importantes, levando em conta que as crianças estão sempre caindo, ralando o joelho e às vezes incidentes mais sérios dentro da instituição de ensino. Desmistificou-se muitas crendices que carregamos da infância, como por exemplo, o creme dental em queimaduras. Esclareceu bastante as dúvidas de como agir e pra quem ligar – bombeiros ou SAMU – Com certeza até em casa, minhas ações em relação aos primeiros socorros serão mais seguras e prudentes”, afirma.

Equipamentos de Proteção Individual
Quando o assunto é EPI’s, a rede municipal de ensino de Goiânia é referência. A partir da Portaria nº 172, de 4 de julho de 2017, anualmente as escolas e centros municipais de Educação Infantil recebem verba do Programa de Autonomia Financeira das Instituições Educacionais (Pafie) para a compra dos equipamentos individuais para as merendeiras, cuidadores, auxiliares de atividades educativas e porteiros. Cerca de quatro mil servidores são beneficiados de acordo com suas necessidades e tamanho. Os materiais são comprados sob medida a partir de levantamento prévio. “Todo profissional precisa, merece segurança e boas condições no trabalho, o que certamente reflete na prática do cotidiano em cada unidade educacional”, completou Angelina Carlos Costa, pontua Angelina.

Lívia Máximo, editoria de Educação e Esporte

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *