Alvará mais Fácil bate novo recorde na análise de projetos

Ferramenta lançada pela Prefeitura de Goiânia em dezembro passado permitiu uma redução média de seis meses na análise de processos de grande porte, o que também permitiu a ampliação das vagas de trabalho abertas pelo mercado imobiliário na capital

A Secretaria Municipal de Planejamento Urbano e Habitação (Seplanh) liberou na última sexta-feira, 29, o primeiro alvará de construção para empreendimento voltado à habitação coletiva, através da modalidade Alvará Mais Fácil. Todo o projeto, que possui área construída de aproximadamente 29 mil m² e compreende 174 unidades habitacionais distribuídas 35 pavimentos, foi analisado em prazo recorde de 44 dias úteis e totalmente online pelos técnicos da pasta.
Lançado em dezembro de 2018 o Alvará Mais Fácil faz parte de um conjunto de ferramentas implementadas pela Prefeitura de Goiânia com vistas à automação da análise de projetos arquitetônicos na capital. Até o momento compõem a Família Fácil, como é chamado todo o sistema, além do Alvará Mais Fácil, o Alvará Fácil, o Uso do Solo Fácil e o Mapa Fácil Digital.
“Graças a investimentos tecnológicos promovidos pela atual gestão estão proporcionando melhorias significativas nos serviços prestados aos nossos contribuintes. Desde que foi lançado, em dezembro passado, 66 projetos arquitetônicos de grande porte já foram apresentados digitalmente para análise pela Seplanh e, em apenas 44 dias úteis, concluímos a análise do primeiro. Isso representa uma redução de 75% no prazo que levávamos para análise antes da implementação do Alvará Mais Fácil”, destaca o secretário de planejamento e habitação, Henrique Alves.
Para o mercado imobiliário e da construção civil a redução do prazo para emissão de alvarás de construção também representa um ganho significativo, pois proporciona que as empresas possam realizar maiores investimentos no setor e, consequentemente ampliação das frentes de trabalho, gerando, assim, um maior número de vagas no mercado de trabalho na capital.
“Para nós, do mercado imobiliário, ter uma aprovação de projetos girando em torno de dois meses muda tudo, pois faz com que estejamos mais próximos dos desejos do consumidor. O mundo está mudando muito rápido e quando a aprovação demorava em média 12 meses, corríamos o risco de lançar o que o consumidor já não queria mais ou o que já estava com estoque em excesso no mercado. Sem falar que conseguimos agora gerar empregos de forma mais rápida e ter o retorno mais rápido do nosso capital”, afirma Diretor de Incorporação e Construção da Terral Incorporadora e Diretor da Associação das Empresas do Mercado Imobiliário de Goiás (Ademi-Go), Marcelo Borges.
A previsão da secretaria é que outras ferramentas sejam acrescidas ao sistema nos próximos meses, como os processos que envolvam o remembramento e desmembramento de imóveis e as emissões de alvarás de demolição, modificação, reforma e conclusão de obras, comumente conhecido como Habite-se.

Willian Assunção, da editoria de Planejamento Urbano e Habitação

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *