Comurg usa telhas e blocos de cimento em paisagismo

Projeto reutiliza itens que seriam descartados. Desde o início da gestão, 808 praças já foram revitalizadas pela Comurg e em todas o uso de elementos de jardins sustentáveis foram priorizados

A Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg) iniciou um novo conceito de paisagismo na cidade com o uso de blocos de cimento e telhas de cerâmicas. Quem passa pela Praça Latif Sebba, conhecida como Praça do Ratinho, no cruzamento das Avenidas 85 e D, no setor Oeste, já pode apreciar o novo modelo.

Ainda na mesma região, o canteiro da Avenida Portugal e o triângulo entre a Avenida D também foram enfeitados com novas floreiras. Nestes locais, os jardins foram contornados com bloquetes de cimento e preenchido com mudas de buxinhos, verbenas, moreias, dálias e camomilas e outras ornamentais, além de elementos como areia e brita.

Além de dar um visual mais limpo, tanto os blocos como as telhas são limitadores que minimizam a propagação de pragas daninhas e seu tom avermelhado, no caso da telha, e o branco do blocom, criam um interessante contraste com o verde da grama e com o colorido das flores.

O presidente da Companhia, Aristóteles de Paula, explicou que os servidores da Diretoria Operacional têm estudado novos projetos que visam reaproveitar os itens que chegam até o Aterro de Goiânia ou que são doados pela comunidade. Ele ressaltou que a ideia está em fase de adaptação e aprovação pela comunidade e aceita sugestão dos goianieneses para promover um ajardinamento cada dia mais sustentável.

Telhas
As floreiras concluídas são vistas nas avenidas Nazareno Roriz, Anhanguera1 e Leste Oeste. Outras estão em implantação no Centro; no setor Coimbra; no Parque Amazônia e no Faiçaville. “O uso das telhas vai ao encontro da responsabilidade socioambiental que o município busca. São pequenas medidas que além de reaproveitar o que seria descartado, enfeita a cidade e diminui custos ao poder público”, comentou o presidente da Comurg.

Preparo
As telhas e os blocos são preparadas e colocadas em valas ao redor do canteiro. Para dar um charme e valorizar a cor, eles recebem uma pintura especial com verniz, tinta ou resina. Flores como exória, camomila e dália, por possuírem cores vibrantes, se adequam muito bem ao novo formato de floreira.

Desde o início da gestão, 808 praças já foram revitalizadas pela Comurg e em todos os projetos o uso de elementos de jardins sustentáveis foram priorizados. Madeira, pedras, areia, caixa d´água de amiantos são alguns dos itens reutilizados e aproveitados nos canteiros e floreiras.

Hacksa Oliveira, da editoria de Urbanização
Fotos: André Soares e João Araújo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *