Saúde convida entidades sindicais para mesa de negociação

Fórum permitirá diálogo permanente entre gestores e representantes dos trabalhadores da Saúde. Entidades sindicais devem manifestar interesse até esta quarta-feira, 15

Na última sexta-feira, 10, a Prefeitura de Goiânia, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), publicou no Diário Oficial do Município um aviso de chamamento para entidades sindicais que representam os trabalhadores da saúde da Capital. Os interessados vão compor a Mesa Municipal de Negociação Permanente do Sistema Único de Saúde (SUS) na cidade. Para tal é necessário encaminhar ofício manifestando interesse até esta quarta-feira, 15.

Até o momento nenhuma instituição sindical protocolou ofício manifestando interesse em participar da mesa de negociações. A demanda foi sugerida à secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué, por representantes de diferentes categorias da Saúde durante uma reunião no Paço Municipal em 03 de agosto. ‘Os próprios trabalhadores pediram a criação do edital. Aceitamos a proposta e em uma semana publicamos no Diário’, explica a titular da SMS.

Entre as pautas de negociação estão salário (reposição e reajuste), jornada de trabalho, carreira, direitos e conquistas sindicais na reformas de estrutura no SUS e mecanismos de gestão de recursos humanos. A medida considera uma resolução do Conselho Nacional de Saúde que tem como objetivo estabelecer um fórum permanente de negociação entre empregadores e trabalhadores do SUS sobre todos os pertinentes à força de trabalho em saúde.

O ofício deve ser entregue na Secretaria Geral do Gabinete da SMS, localizada no segundo andar do bloco D, no Paço Municipal. Após o registro das entidades sindicais será praticado o ato administrativo para instituição da Mesa Municipal de Negociação Permanente do SUS em Goiânia para que se dê inícios aos trabalho.

Mesa

A mesa é um fórum paritário, ou seja, formado por número par (‘igual’) de elementos sem diferenciação de categoria, e permanente de negociação. Objetivo é reunir gestores públicos e entidades sindicais representativas dos trabalhadores da saúde.

Pedro Ferreira, da editoria de Saúde
Foto: Divulgação

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *