Secretaria de Direitos Humanos realiza palestra sobre o combate a Homofobia

Ação faz parte do projeto "Polícia sem LGBTFOBIA", parceria entre Prefeitura de Goiânia e Polícia Militar

A Assessoria LGBT da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Politicas Afirmativas (SMDHPA), em parceria com a Policia Militar do Estado de Goiás, realizou na tarde desta quinta-feira, 4, palestra com novos integrantes da corporação para discutir o combate a homofobia no cotidiano dos policiais.

Durante a palestra, o assessor Victor Hipólito destacou a importância das informações e da preparação dos 1.500 novos agentes que vão atuar em todo Estado. “Os números estão aí. No ano passado, de janeiro a maio, 117 pessoas foram assassinadas no Brasil devido à homofobia. É um assassinato a cada 25 horas”, lembrou.

Victor falou sobre a criação de “políticas públicas segurativas e afirmativas” para o resgate social de pessoas transexuais e travestis, e de que maneira ocorre a construção do preconceito na infância, a importância da inclusão do tema no plano de educação, nos âmbitos da administração pública e como a abordagem policial deve ser executada em crimes relacionados à homofobia.

Segundo o tenente-coronel Clives Pereira Sanches, subcomandante da Academia de Polícia Militar, a corporação segue os princípios fundamentais dos direitos humanos, que é o respeito ao cidadão sem distinção de cor, religião e gênero.

“Toda sociedade merece respeito do policial militar. A partir do momento em que ele escolheu ser um servidor público, ele tem o dever de prestar um serviço de qualidade para toda população”, destacou o subcomandante.

Números

Em 2016, segundo a Associação Internacional de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transgêneros e Intersexuais, 340 LGBTs foram mortos no Brasil. A GGB, por sua vez, contabilizou 343. É quase uma vítima por dia, sendo até então, o maior número já registrado na história. Em 2015, foram registradas 318 mortes, segundo informações do grupo.

Diego Reis, da Diretoria de Jornalismo.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *