Tribunal de Justiça e Prefeitura cedem imóveis à Polícia Civil

Prédios foram construídos pelo TJ-GO em áreas municipais e voltariam ao Paço Municipal, que decidiu repassar duas unidades à polícia

O presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Gilberto Marques Filho, o prefeito de Goiânia, Iris Rezende e o governador Marconi Perillo assinaram, nesta terça-feira, 31, Termo de Cessão de Uso de imóveis do TJGO para a Polícia Civil.

O prédio foi construído no início da década de 90 pelo tribunal em área do Executivo Municipal. A solenidade de transferência do Juizado do Residencial Felicidade/Jardim Guanabara para a PC de Goiás ocorreu no 10° andar do Palácio Pedro Ludovico Teixeira, na Praça Cívica.

A iniciativa permite a cessão de uso do imóvel em que estavam instalados o 9° Juizado Especial Cível e o 4° Juizado Especial Criminal, que foram transferidas para os outros fóruns da capital. O prazo de vigência do contrato de cessão será de 60 meses, podendo ser prorrogado.

O presidente do TJGO lembrou que em outra ocasião dois prédios também foram repassados à Prefeitura de Goiânia. “O tribunal construiu os prédios, agora, com o novo Fórum, os terrenos com os imóveis voltam para a administração municipal. A prefeitura vai utilizar os espaços para aproximar o atendimento à população’, destacou Iris Rezende.

Gilberto Marques Filho disse que optou por ceder os prédios pelo sentimento de responsabilidade de gestão que sempre o acompanhou. “Essa parceria é muito importante. Lá atrás, quando o Tribunal precisou, a Prefeitura de Goiânia cedeu o terreno para a construção dos prédios e, agora, para gerar economia e em prol da boa gestão, estamos retribuindo”.

O Delegado-Geral da Polícia Civil, Álvaro Cássio, informou que os prédios abrigarão o 10º Distrito Policial e uma Delegacia Especializada, ainda a definir.

Iris acrescentou ainda que o momento é marcado pela união de esforços de três esferas administrativas com a finalidade de se ajudarem, encontrando soluções simples, que atendam o interesse público. “Disso aqui fica um grande sentimento cívico e de interesse público, onde há o entendimento para as coisas caminharem a bom termo”.

Antonio Bento, da Diretoria de Jornalismo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *