Direitos Humanos realiza 1ª Feira Cultural e Social das Entidades de Pessoas com Deficiência

Durante a ação, entidades representativas ofertarão produtos e serviços confeccionados pelos seus membros, como cursos de culinária, artesanato, basares e atrações culturais

A Secretaria Municipal dos Direitos Humanos e Políticas Afirmativas (SMDHPA), por meio da Superintendência da Pessoa com Deficiência, definiu nesta sexta-feira, 4, a data da 1ª Feira Cultural das Entidades das Pessoas com Deficiência. O evento, que conta com parcerias de instituições representativas, ocorrerá no próximo dia 23 de agosto, no Bosque dos Buritis. Durante a ação, as entidades ofertarão produtos e serviços confeccionados pelos seus membros, como cursos de culinária, artesanato, basares e atrações culturais.

O secretário de Direitos Humanos, Filemon Pereira, afirmou durante a reunião que a iniciativa será aberta para a comunidade e contará com inúmeros serviços oferecidos pela Prefeitura de Goiânia. “A determinação do prefeito Iris Rezende é que ocupemos as áreas públicas da cidade para organizar boas parcerias. Para a ação, estamos preparando diversas apresentações, com números musicais e danças do folclore brasileiro, como a catira, ritmo musical marcado pela batida dos pés e mãos dos dançarinos”, destaca Filemon.

Participaram da reunião representantes do Centro de Reabilitação São Paulo Apóstolo (Crespa); da Federação Estadual das Apaes (Feapaes); da Associação de Pais, Amigos e Pessoas com Deficiência de Funcionários do Banco do Brasil e da Comunidade (Apapebb); e da Associação de Serviços à Criança Especial de Goiânia (Ascep).

Para Walter Marttinez, representante do Crespa, é salutar a criação de políticas públicas que sensibilize a comunidade da importância de inclusão da pessoa com deficiência. “Vejo a mudança de postura com a implementação de reuniões e criação de políticas públicas. Ações como essa buscam incentivar a promoção da inclusão em todas as searas da sociedade”, acredita. Atualmente, o Crespa atente 180 pessoas no Jardim América, em Goiânia. A entidade promove atendimento terapêutico e educacional a pessoas com deficiência física e mental em níveis leve e moderado, sem limite de idade. ‘Conhecemos bem a realidade desses cidadãos. Por isso, todas as iniciativas que combatam o preconceito são bem-vindas’, finalizou.

Antônio Bento, da Diretoria de Jornalismo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *