No tempo frio, serpentário do Zoológico de Goiânia recebe aquecimento especial

Atualmente, parque conta com cerca de 50 serpentes. De junho a agosto, além de aquecimento artificial, rotina dos répteis inclui dieta alimentar

Nos últimos dias, Goiânia registrou temperaturas de 13º C, tempo considerado frio para uma cidade que registra média anual de cerca de 29º C. Para minimizar os efeitos do frio no serpentário do Zoológico de Goiânia, a equipe responsável pelos répteis implantou uma série de medidas para garantir o bem-estar dos animais, como aquecimento artificial com lâmpadas incandescentes e ultravioletas e uma dieta especial.

De acordo com a médica veterinária Luana Borboleta, responsável pelo setor de répteis, o sistema de aquecimento automático funciona durante o inverno no período diurno e noturno. “Além de garantir os recintos aquecidos, o sistema com iluminação ultravioleta auxilia na síntese da vitamina D e na absorção de cálcio, contribuindo nos processos bioquímicos e para o fortalecimento e formação dos ossos desses animais”, explica a especialista.

No inverno, conforme pontua Luana Borboleta, algumas espécies de répteis passam por um processo chamado de brumação, semelhante à condição de hibernação ― quando alguns animam reduzem significativamente o metabolismo. Neste período, os cuidados com a alimentação das serpentes precisam ser redobrados, uma vez que todo o conjunto de processos bioquímicos ocorridos no organismo restringe-se ao mínimo. “Uma vez por mês elas se alimentam de pequenos roedores. Por questões de bem estar, a maioria das serpentes são retiradas de seus recintos e transportadas para caixas para que se alimentem. Dessa forma, mantemos os locais onde vivem limpos e higiênicos”, salienta.

No recinto das pítons, por exemplo, o Parque Zoológico garante o aquecimento com palhas. Dessa forma, a espécie também pode produzir seus próprios ninhos. “Com o auxilio das palhas, elas se mantêm sempre aquecidas no serpentário”, afirma Luana Borboleta. Atualmente, o local conta com cerca de 50 serpentes de espécies brasileiras e exóticas oriundas da Ásia e da América do Norte.

O diretor geral do Parque Zoológico, Rafael Cupertino, salienta que o local se preocupa com a excelência alimentar e qualidade de vida de todos os animais que vivem no espaço. “Realizamos constantemente readequação na alimentação dos animais, pois cada um necessita de uma composição nutricional diferenciada. Além disso, realizamos limpeza, manutenção e outros cuidados diários, garantindo conforto e segurança para os mesmos”, assegura.

O local, que funciona de terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h, é uma opção de visitação para o mês de julho. O valor do ingresso é de R$ 5. Crianças de 4 a 12 anos e idosos com 60 anos ou mais pagam meia entrada. Pessoas com deficiência não pagam ingressos.

Para maiores informações/ marcar entrevistas: (62) 3524-1028

Thiago Araújo, da Diretoria de Jornalismo

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *