Campanha Nacional de Hanseníase chega às unidades educacionais

Alunos com idade entre 5 e 14 anos estão sendo avaliados. Ação segue até novembro de 2017

Teve início nessa segunda-feira, 29, e segue até novembro deste ano a Campanha Nacional de Hanseníase e Geo-helmintiase na rede municipal de ensino de Goiânia. A ação é resultado de uma parceria parceria entre as secretarias de Educação e Esporte (SME) e Saúde (SMS). Nesta quarta-feira, 31, uma equipe de saúde estará na Escola Municipal Grande Retiro, nos períodos matutino e vespertino, para efetivação da campanha.

A Prefeitura de Goiânia realizará a ação em 150 escolas e 95 Centros Municipais de Educação Infantil (Cmeis). No total serão atendidos mais de 70 mil alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental. O objetivo é reduzir a carga parasitária de geo-helmintos com tratamento quimioprofilático em crianças de 5 a14 anos através do uso do Albendazol 400mg, dose única. Além também de identificar casos suspeitos de hanseníase, já que aproximadamente 25% dos casos novos detectados ao ano são decorrentes do exame de contatos intradomiciliares.

Os casos suspeitos serão encaminhados à rede básica de saúde visando a diagnóstico e o tratamento. A meta é investigar os sinais e sintomas da hanseníase em 80% dos alunos por meio da ficha de autoimagem. Outro objetivo da campanha é intensificar a divulgação dos sintomas e o tratamento da doença, que quando não diagnosticada e não tratada precocemente evolui para incapacidades físicas.

Dados

A Hanseníase é uma doença infectocontagiosa, de evolução lenta, que se manifesta principalmente através de lesões na pele e nos nervos periféricos, principalmente nos olhos, mãos e pés. É uma doença curável e quanto mais precocemente diagnosticada e tratada mais rapidamente se cura o paciente. O homem é considerado a única fonte de infecção da hanseníase. O contágio é por meio da convivência íntima e prolongada com uma pessoa doente, portadora do bacilo de Hansen.

Segundo estudos, Goiânia registrou 160 novos casos de hanseníase em 2016, 41 casos a menos se comparado ao ano de 2015. Destes 160 casos, três são em menores de 15 anos de idade. O tratamento é realizado entre seis meses e um ano, dependendo da quantidade de bacilos e lesões. A interrupção do tratamento implica no agravamento da doença, que vai desde complicações neurológicas até a resistência do bacilo em relação ao medicamento padrão instituído.

Serviço

Assunto: Campanha Nacional de Hanseníase e Geo-helmintiase chega às unidades educacionais
Local: Escola Municipal Grande Retiro

Data: 31/05/2017
Horário: Turno matutino e vespertino
Contato: Assessoria de Comunicação – SME – 3524-5054

Lívia Máximo, editoria de Educação e Esporte

Fotos: Anna Lúcia Almeida

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *