Em defesa de um SUS de qualidade, conferência discute Vigilância em Saúde

Encontro fortalece o controle social e busca garantia de investimentos para as vigilâncias ambiental, do trabalho, epidemiológica e sanitária de Goiânia

Com a realização da 1ª Conferência Municipal de Vigilância em Saúde nesta quinta-feira, 11, os participantes – dos segmentos de usuários, trabalhadores e gestores – tiveram oportunidade de formular proposições para garantia do acesso universal aos serviços de vigilância em saúde na Capital. O evento, no salão paroquial da Igreja Matriz de Campinas, foi coordenado pelo Conselho Municipal de Saúde de Goiânia.

A partir do tema ‘Vigilância em saúde: direito, conquista e defesa de um SUS de qualidade’, os presentes ouviram palestras de sensibilização e se reuniram em oito grupos para elaboração de propostas. Estas serão reavaliadas nas conferências que ocorrerão em níveis regional, estadual e nacional.

Para a diretora de vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), Flúvia Amorim, ‘as conferências de saúde representam oportunidade para o engajamento coletivo em busca de promover mudança no que deve ser mudado e implantar o que não existe’. Ela alertou para a necessidade de, nos trabalhos de grupo, os participantes questionarem o investimento e custeio previstos para as demandas das vigilâncias nas três esferas de governo. ‘Da forma como está prevista, pelo Governo Federal, a partir de 2018, estaremos na dependência dos gestores de secretarias de saúde para destinação de verbas para o setor. Sem dúvida, um risco para o acesso universal aos serviços de vigilância em saúde’, destacou a diretora.

De acordo com o superintendente de vigilância em saúde da SMS, Robson Azevedo, a boa vigilância reduz chances de erros que possam comprometer a saúde integral do indivíduo, por isso a importância do levantamento de propostas para garantia de verbas e posterior concretização de planejamentos eficazes. Já a secretária municipal de Saúde, Fátima Mrué, garantiu que o município cumprirá as demandas elencadas pela discussão do evento. ‘Estamos em um período de gestão favorável, com apoio do prefeito Iris Rezende; numa fase fértil onde bons frutos chegarão’, finalizou.

Trabalhos

Nove eixos nortearam as discussões da 1º Conferência Municipal de Vigilância em Saúde de Goiânia:

I. O papel da vigilância em saúde na integralidade do cuidado individual e coletivo em toda Rede de Atenção à Saúde;
II. acesso e integração das práticas e processos de trabalho das vigilâncias epidemiológica, sanitária, em saúde ambiental e do trabalhador e dos laboratórios de saúde pública;
III. acesso e integração dos saberes e tecnologias das vigilâncias epidemiológica, sanitária, em saúde ambiental, do trabalhador e dos laboratórios de saúde pública;
IV. responsabilidades do Estado e dos governos com a vigilância em saúde;
V. gestão de risco de estratégias para identificação, planejamento, intervenção, regulação, ações intersetoriais, comunicação e monitoramento de riscos, doenças e agravos à população;
VI. monitoramento de vetores e de agentes causadores de doenças e agravos, inclusive as negligenciadas;
VIII. implementação de políticas intersetoriais para promoção da saúde e redução de doenças e agravos, inclusive as negligenciadas;
VIII. a participação social no fortalecimento da vigilância em saúde.

Ângela Oliveira, do Conselho Municipal de Saúde – Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *