Conferência debate saúde das mulheres

Do encontro saíram propostas de melhorias para a atenção integral às mulheres

As vulnerabilidades das mulheres usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS) foram debatidas na quarta-feira, 10, durante a realização da 1ª Conferência Municipal de Saúde das Mulheres (CMSMu), com o tema ‘Saúde das Mulheres: Desafios para a integralidade com equidade’.

Do encontro saíram propostas de melhorias para a atenção integral à mulheres que, posteriormente, serão encaminhadas para as etapas estadual e nacional da conferência com objetivo de que se concretizem por meio de aplicação de verbas do Ministério da Saúde destinadas ao SUS.

As discussões e explanações das palestrantes se basearam em quatro eixos da Conferência: o papel do Estado no desenvolvimento sócioeconômico e ambiental e seus reflexos na vida e na saúde das mulheres; o mundo do trabalho e suas consequências na vida e na saúde das mulheres; vulnerabilidades nos ciclos de vida das mulheres na Políticas Nacional de Atenção Integral à Saúde das Mulheres; e Políticas Públicas para Mulheres e participação social.

Conferências
As conferências são espaços democráticos de discussão e avaliação onde todos – usuários, trabalhadores, gestores e prestadores de serviço – têm voz; em que o controle social, voltado para os serviços públicos, é ampliado com alcance e condições de interferir nas políticas públicas em busca de adequá-las e aprimorá-las à realidade e necessidade dos usuários do SUS.

Para a secretária municipal de Saúde de Goiânia, Fátima Mrué, o desafio do ser humano é a prática do amor necessário ao lidar com outras pessoas. ‘No caso do profissional de saúde, com a devida atenção ao doente; em especial, quando se trata da mulher, para que ela tenha uma vida familiar saudável por força de lei’.

Angela Oliveira, da editoria de Saúde da Secretaria Municipal de Comunicação de Goiânia

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *