Não compactuo com violência, reafirma Iris Rezende

Referindo-se à ação da Guarda Civil de reintegração de posse do prédio da SME, invadido por professores em greve, prefeito disse que já pediu a apuração dos possíveis excessos cometidos por ambas as partes

Em evento que marcou o lançamento do programa Alvará Fácil, ocorrido ontem, 27, no Salão Nobre do Paço Municipal, o prefeito Iris Rezende voltou a afirmar que não aceita e nem compactua com qualquer ato de violência, se referindo à invasão de servidores grevistas ao prédio da Secretaria Municipal de Educação, no Setor Universitário, ocorrida na noite da última quarta-feira. Na ocasião, o comando operacional da Guarda Civil Metropolitana decidiu por fazer a imediata reintegração da posse do imóvel com base no que dispõe o § 1º, do artigo 1210, do Código Civil Brasileiro. De acordo com o prefeito, havia dois secretários municipais no local prontos para iniciar o diálogo com os grevistas quando foram surpreendidos pela invasão.

Iris Rezende lembrou que recentemente recebeu a presidente do Sintego, Bia de Lima, que é a entidade representativa dos professores em Goiânia e que nunca se recusou a dialogar com a categoria. “Sempre recebi todos que me procuram e vou me esforçar, dia e noite, para valorizar mais o nosso servidor”, afirmou, enfatizando, no entanto, que não abre mão do respeito às leis e à sociedade que ele, como chefe do executivo, representa.

Para o prefeito, ele poderia estar prevaricando se aceitasse passivamente invasões a prédios públicos do município. “Que prefeito seria eu se permitisse invasões daqui, dali e dacolá sem motivações?”, indagou.

Iris lembrou os esforços da sua administração para prestigiar os professores da rede pública municipal de ensino e que, mesmo diante de limitações financeiras, vem pagando o piso salarial nacional para os docentes, além de ter autorizado a convocação de aproximdamente 45% dos concursados da educação. A própria presidente do Sintego tem afrmado que as negociações se mantêm com o Paço e não vê necessidade de greve.

O prefeito encerrou lembrando que a lei é para todos e que submete do prefeito ao mais humilde dos trabalhadores, afirmando, também, que já pediu a apuração dos possíveis excessos cometidos por ambas as partes. “Não compactuo com a violência, sob hipótese alguma”, finalizou.

Cloves Reges, da Diretoria de Jornalismo – Secretaria Municipal de Comunicação (Secom)

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *